DICAS DE BETTING – SEMIFINAL DA COPA DO BRASIL 2019

Por Caio Bitencourt

Chegamos na partida de volta das semifinais da Copa do Brasil de 2019 e para dar sequência aos resumos estatísticos e de curiosidades sobre jogos, vamos falar sobre Inter x Cruzeiro e Athletico x Grêmio. Alguns números valiosos para aqueles que gostam de apostar e buscam um green e fugir do red.

Um aviso importante é que são números, estatísticas e curiosidades, apenas. Nenhum deles tem a garantia de que vai ocorrer. Jogue com moderação.


 

Athletico-PR x Grêmio

No jogo de ida, vitória do Grêmio por 2 a 0 na Arena do Grêmio

  • Mata-matas: Grêmio 4-2 Athletico. Vitórias do Grêmio: Brasileiro 1959 (Taça Brasil), Copa do Brasil 1996, Copa do Brasil 2016, Copa do Brasil 2017. Vitórias do Athletico: Copa Sul-Minas 2002, Copa do Brasil 2013.
  • Semifinais com Grêmio envolvido: 1989 (2–2 e 6–1 Flamengo), 1991 (1–1 e 1–0 Coritiba), 1993 (3–4 e 1–0 Flamengo), 1994 (0–0 e 2–1 Vasco), 1995 (1–2 e 1–0 Flamengo), 1996 (1–3 e 2–1 Palmeiras), 1997 (1–2 e 1–1 Corinthians), 2001 (0–1 e 3–1 Coritiba), 2010 (4–3 e 1–3 Santos), 2012 (0–2 e 1–1 Palmeiras), 2013 (0–1 e 0–0 Athletico), 2016 (2–0 e 0–0 Cruzeiro), 2017 (1–0 e 0–1 Cruzeiro). 13 semifinais disputadas, 8 classificações.
  • Destas, Grêmio decidiu fora de casa em: 2001, 2010, 2012, 2017. Classificou apenas em 2001, contra o Coritiba. Curiosamente, em uma situação em que marcou 2 gols de diferença frente ao adversário. 
  • Grêmio perdeu fora de casa pela diferença que precisa para ser eliminado na Copa do Brasil apenas em 2005 (3–0 Fluminense).
  • Grêmio sem Everton Cebolinha em 2019 teve 11 jogos, 7 vitórias, 3 empates e 1 derrota. 
  • Grêmio em 2019 não sofreu nenhuma vez o placar que precisa para ser eliminado.
  • Athletico venceu 16 dos 22 jogos na Arena da Baixada em 2019.
  • O Athletico tem vantagem nos confrontos contra o Grêmio na Arena da Baixada: 19 jogos, com 7 vitórias atleticanas, 7 empates e 5 vitórias gremistas.
  • Por outro lado, na Copa do Brasil, sempre que os dois se enfrentaram na Baixada, deu Grêmio: 2016 e 2017, vitórias tricolores por 1–0 e 3–2, respectivamente.
  • Na história da competição, o Athletico tem boa vantagem em jogos de Copa do Brasil em casa: foram 58 jogos, com 33 vitórias, 17 empates e apenas 8 derrotas. 
  • Entre a primeira versão da Arena da Baixada (1999–2011), e a segunda versão (a partir de 2014), o Athletico teve um número baixo de derrotas na primeira: 3 derrotas entre 1999 e 2011 na Copa do Brasil sob seus domínios, contra um igualado número de 3 nos dias atuais (destas, 2 para o Grêmio). 
  • Última vez que o Athletico fez um placar que precisa para se classificar: 4–0 Shonan Bellmare, Copa Suruga em 7 de agosto. Na Baixada, 4–1 Vasco, em 28 de abril. 
  • Última vez que o Grêmio sofreu algum placar que lhe dê a eliminação: 1–5 contra o Santa Cruz-PE, em 27/11/2016. Considerando que aquele era o time reserva tricolor, a última foi para o Sport em 7 de novembro do mesmo ano, por 3–0. 
  • Apenas uma semifinal com Athletico envolvido: 2013 (1–0 e 0–0 Grêmio)
  • Na Copa do Brasil, o Athletico saiu atrás em 18 confrontos, e conseguiu a virada em 7. Destas, nas condições de reverter uma desvantagem de dois gols de diferença, apenas contra Treze em 2001 (0–2 e 2–0, com vitória nos pênaltis), e duas vezes na Copa do Brasil de 2007, contra Vitória (1–4 e 3–0) e Atlético-GO (1–3 e 2–0). 
  • Athletico nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e 3 derrotas. Na Baixada, 2 vitórias e 1 derrota. 
  • Grêmio nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e 3 derrotas. Fora de casa, 1 vitória e 2 derrotas. 
  • Escanteios tendem a dobrar em segundas partidas pela necessidade de gols. Porém, nas quartas de final, Bahia-Grêmio teve 13 escanteios no primeiro jogo. No segundo, 7 escanteios, muito pela estratégia do Bahia de tentar segurar o tricolor gaúcho (foram 2 do tricolor baiano contra 5 dos gaúchos). Por sua vez, Flamengo-Athletico teve 14 escanteios no primeiro jogo, no segundo, o número igualado de 14. Com Grêmio-Athletico, foram 9 escanteios. Serão superados pela necessidade de gols rubro-negra?

Internacional x Cruzeiro

No jogo de ida, vitória do Inter por 1 a 0, no Mineirão

  • No geral, Inter 3–1 Cruzeiro. Mata-matas do Inter: Brasileiro 1975 (1-0 Inter), Brasileiro 1987 (0–0 no Beira-Rio, 1–0 Inter no Mineirão), Brasileiro 1988 (0–0 no Mineirão, 2–0 Inter no Beira-Rio). Mata-matas do Cruzeiro: Brasileiro 2000 (1–1 no Beira-Rio, 3–2 Cruzeiro no Mineirão).
  • Inter quando teve vantagem de 1–0 no jogo de ida: — Sofreu a virada contra o Criciúma em 1990, Venceu no gol qualificado contra o Bahia em 1994 (derrota por 5–4 em Salvador), Venceu no gol qualificado contra o Goiás em 1999 (derrota por 2–1 em Goiânia), Foi eliminado contra o Paulista em 2005 (derrota por 1–0 em Jundiaí e nos pênaltis por 4–2), Foi eliminado contra o Sport em 2008 (derrota por 3–1 em Recife).
  • Inter sofreu “remontadas” em Copa do Brasil e foi eliminado em: 1990 (Criciúma), 1996 (Flamengo), 2005 (Paulista), 2008 (Sport) e 2018 (Vitória). Por outro lado, nenhuma dessas vezes foi no Beira-Rio. 
  • Contando mata-matas de Campeonato Brasileiro, o Inter nunca foi eliminado em confrontos eliminatórios em que havia vencido o primeiro jogo. 
  • Contudo, há um único precedente histórico nessas situações para os colorados: Libertadores de 1989, quando venceu o primeiro jogo da semifinal contra o Olimpia por 1–0, foi derrotado no Beira-Rio por 3–2 no tempo normal e por 5–3 nos pênaltis. 
  • Última derrota colorada no Beira-Rio na Copa do Brasil: 1–2 Atlético-MG, semifinal de 2016. Curiosamente, o Galo também foi o último a ganhar por dois gols de diferença no Beira-Rio do Inter: vitória por 3–1 atleticana pelo Brasileiro de 2015. 
  • Mata-matas Inter x Cruzeiro: é o primeiro confronto eliminatório entre as duas equipes na Copa do Brasil. 
  • No geral, Inter 3–1 Cruzeiro. Mata-matas do Inter: Brasileiro 1987 (0–0 no Beira-Rio, 1–0 Inter no Mineirão), Brasileiro 1988 (0–0 no Mineirão, 2–0 Inter no Beira-Rio). Mata-matas do Cruzeiro: Brasileiro 2000 (1–1 no Beira-Rio, 3–2 Cruzeiro no Mineirão). 
  • Em 36 confrontos entre colorados e celestes no Beira-Rio, o Cruzeiro só marcou a vantagem pela qual precisa para se classificar nos 90 minutos em 2 oportunidades das 7 vitórias. 
  • Desde maio de 2018, somente o Flamengo conseguiu vencer por 2 gols de diferença com Victor Cuesta e Rodrigo Moledo como titulares da dupla de zaga, no Brasileiro de 2018 e na Libertadores de 2019. 
  • Nos duelos de copas de 2019, entretanto, nos últimos 7 confrontos no Beira-Rio, o Inter saiu sem ser vazado apenas em 3 jogos.
  • Desde a edição de 2017, quando iniciou a caminhada para o bicampeonato consecutivo da Copa do Brasil, o Cruzeiro venceu mais fora de casa pela competição (7 vezes) do que em casa (6 vezes). 
  • Por outro lado, o Cruzeiro ainda não venceu fora de casa na edição de 2019 da Copa do Brasil. Fora de casa, o Cruzeiro não vence no ano desde o dia 23 de abril, quando venceu o Deportivo Lara, por 2–0 na Libertadores.
  • O Cruzeiro não vence o Internacional desde agosto de 2016, quando venceu o Colorado por 4–2 no Independência. Desde então, foram 5 jogos, 3 vitórias do Inter e 2 empates.
  • No Beira-Rio, o Cruzeiro não vence desde 2010, quando venceu o Inter por 2–1 pelo Brasileirão. Desde então, o Cruzeiro só venceu duas vezes o Inter no Rio Grande do Sul, 2–1 em Novo Hamburgo, no Brasileiro de 2013, e 3–1 em Caxias do Sul, no Brasileiro de 2014, um placar que lhe daria a classificação. 
  • Rogério Ceni nunca enfrentou o Internacional como técnico. Por outro lado, como jogador, nos mata-matas que enfrentou o Colorado, só perdeu: duas derrotas nas Libertadores de 2006 e 2010, vestindo a camisa do São Paulo.
  • O Internacional ganhou 8 de suas últimas 10 partidas pela Copa do Brasil. 
  • A última vez que o Cruzeiro fez o placar que precisa para se classificar no Beira-Rio foi em 17 de janeiro de 2001, por 2–0, pela Copa Sul-Minas. A outra das vezes, foi uma vitória cruzeirense por 2–0 pela fase de grupos da Libertadores de 1976. Duas competições que terminaram em título cruzeirense. 
  • Cruzeiro “remontou” eliminatórias em 6 vezes pela Copa do Brasil se classificando após perder o primeiro jogo em: 1993 (Náutico), 1999 (Caxias), 2002 (Londrina), 2006 (Vitória), 2016 (Corinthians), 2017 (Grêmio). Por outro lado, todas essas “remontadas” foram no Mineirão.
  • Internacional nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e 3 derrotas. No Beira-Rio, 3 vitórias e 1 derrota (curiosamente para um mineiro, o América, em 1998). 
  • Cruzeiro nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e nenhuma derrota. Fora de casa, nunca decidiu nos pênaltis.
  • O Cruzeiro até 2017 nunca havia decidido por pênaltis na Copa do Brasil. 
  • Escanteios tendem a dobrar em segundas partidas. Nas quartas de final, Palmeiras-Inter teve 5 escanteios no primeiro jogo. No segundo, 10 escanteios. Por sua vez, Cruzeiro-Atlético teve 10 escanteios no primeiro jogo, no segundo, 14. Com Cruzeiro-Inter, foram 9 escanteios. Serão superados pela necessidade de gols? 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.