CRISTIANO E ASENSIO EM NOITE DE CHAMPIONS

Por @_GabrielCorrea

Um início de temporada sem confiança, perdendo gols e com Real Madrid instável em La Liga. A virada do ano foi um divisor para Cristiano Ronaldo. O português voltou a velha forma como fazedor de gols. A bola procura o camisa 7 do Real Madrid.

Acima disso, as noites de Champions League parecem transformar Cristiano em outro jogador. Tal qual o Real Madrid, a força mental de ambos na maior competição de clubes do mundo é visível.

Cristiano Ronaldo na primeira metade da temporada:

23 jogos

17 gols

3 assistências

Cristiano Ronaldo na segunda parte da temporada:

11 jogos

15 gols

2 assistências

O outro nome das eliminatórias contra o PSG se chama Marco Asensio. A joia espanhola entrou no decorrer da partida do primeiro jogo e participou ativamente de dois gols. No segundo jogo, Zidane o colocou como substituto de Bale para atuar bem aberto pelo lado esquerdo do 4-4-2 do francês – Vazquez atuou pela direita e Cristiano Ronaldo centralizado ao lado de Benzema.

Por sinal, o jogador de 22 anos se mostra um atleta de grandes jogos. Foi decisivo na SuperCopa Europeia na temporada passada, nas fases decisivas do mata-mata da Champions League, em clássicos contra o Barcelona ou partidas difíceis de La Liga. Sua força mental é muito grande e, mais uma vez, pede passagem para aparecer no time titular.

Sem o controle de Toni Kross e Luka Modric, a aposta pela velocidade pelos lados com o poder de decisão do seu craque, o Real Madrid teve a partida sob seu controle e aqui vale o destaque para mais uma grande atuação de Sérgio Ramos, outro jogador que se transforma na Liga dos Campeões.

Percebam que o mapa de passes do Real Madrid mostra muitas jogadas de fundo. (fonte: StatsZone)

Percebam que o mapa de passes do Real Madrid mostra muitas jogadas de fundo. (fonte: StatsZone)

Ao PSG de Unay Emery, pudemos observar uma equipe ainda sem conjunto. Ainda falaremos muito sobre isso por aqui com Renato Gomes Rodrigues. Na partida, pouco apoio de Mbappé e Di Maria na fase defensiva, apesar da tentativa (frustrada) de Thiago Motta, Verratti e Dani Alves criarem algo contra a dupla Casemiro e Kovacic.

O aprendizado que fica é: nunca duvidem de Real Madrid e Cristiano Ronaldo em noites de Champions League.

Deixe uma resposta