BERNARDO SILVA, O MULTIFACETADO DE GUARDIOLA

por Felipe Simonetti

A série “All or Nothing” que retrata o dia a dia do Manchester City dono da campanha com mais pontos na história da Premier League revela a atmosfera dentro do clube. Pep Guardiola é o maior responsável pela transformação de mindset dos citizens, que passaram de coadjuvantes na Inglaterra, para um dos protagonistas do cenário europeu.

Nesse contexto de vitórias, problemas se desenvolvem ao longo da temporada e a falta de peças obriga Pep a contratar e fazer mudanças drásticas na equipe, como redescobrir Delph e Zinchenko pela lateral-esquerda. O ponto-chave, do nosso personagem central, se dá, contudo, na penumbra desse time.

Bernardo Silva, iniciante na equipe de Manchester começa a dar seus primeiros passos rumo ao protagonismo. Antes visto como coringa para o decorrer da partida, o português assume, na temporada 2018-19, a função de substituir Kevin De Bruyne, ser o cérebro criativo da equipe e se diversificar buscando diferentes áreas do campo.

“Ele merece jogar os minutos que está jogando. É um ótimo exemplo para o grupo e não esqueço o comportamento que teve temporada passada.” – Pep Guardiola

É verdade que a contratação do camisa 20 junto ao Mônaco que derrubou o City na Champions temporadas antes tinha como foco a criação de um herdeiro para o legado de David Silva. Coincidências não faltam: Silva, baixinho, ibérico, canhoto e extremamente inteligente, como já demonstrada na equipe de Leonardo Jardim. O rumo de Bernardo, contudo, foi de se tornar o dínamo da equipe nesta temporada.

Sem a presença de KDB devido as lesões no início da temporada, o “gajo” deixou de ser extremo para jogar por dentro e assim pode provar sua versatilidade. Com menos minutos em 2017-18, mostrou seu valor e hoje, pode-se falar que é titular no time de Guardiola.

“Pode jogar em três, quatro ou cinco posições” – Pep Guardiola

Se a mágica da temporada que coroou o título dos 100 pontos foi reinventar Delph e Zinchenko, esse ano o brilhantismo está por conta de encontrar a força motriz. Bernardo Silva hoje é interior pela direita (na ausência de De Bruyne), pela esquerda (na de David Silva) ou aberto pelo lado direito (deixando Mahrez e Sané no banco). Sem contar as diversas funções do português.

Exemplificando.

Abaixo vemos Bernardo como extremo direito, posição na qual tem jogado mais recentemente pela boa forma de De Bruyne e David. Por esse lado, normalmente pisa a linha lateral para oferecer amplitude e busca associações e troca de posições por dentro com o craque belga. Nessa formatação, Walker ganha protagonismo também por dentro e o lado direito (Walker-KDB-Silva) se torna o ponto forte criativo da equipe.

Por dentro, como “um dos dois 8 do City”, o camisa 20 ganhou mais espaço pela direita no início da temporada graças a lesão de De Bruyne, já pela esquerda, teve a oportunidade de substituir David Silva em menos momentos. Nesta faixa mais central do campo, Bernardo exerce sua maior criatividade buscando geralmente as entrelinhas. Não deixa de realizar troca de posições, mas consegue, por ali, conduzir e gerar mais oportunidade de gols a seus companheiros.

Ainda existem outros momentos onde Pep optou por um time com Gundogan, Fernandinho, dois extremos e Bernardo Silva por dentro. Ou mesmo quando se aproximou mais de Aguero tanto na fase defensiva quanto ofensiva. O fato é, Silva se tornou o motor de Guardiola na temporada 2018-19.

“Ele é especial e mais experto que os demais” – Pep Guardiola

Independente da faixa do campo, contudo, Bernardo é diferente. Sensacional na leitura de espaços – como no gol contra o Arsenal, onde vê Aguero levar os marcadores – marcou e criou gols. Além disso, trouxe um fato novo ao elenco. De Bruyne, David Silva e o jovem Foden são altamente criativos, mas de movimentos mais lentos, Bernardo Silva traz imprevisibilidade e o drible em todos os momentos da partida. O português é intenso, não para e geralmente é o atleta com mais quilômetros percorridos em campo (diante do Liverpool percorreu 13.7km e superou o recorde do qual era dono na temporada).

Ágil, Pep o resume: “é mais experto que os demais, não precisa da força física. Bernardo sabe fazer a leitura da jogada e aproveitar a instabilidade de seus adversários”.

“Enquanto eu estiver aqui, ele estará aqui” – Pep Guardiola

Defensivamente, se alinha geralmente ao centroavante para marcar a saída de bola. Como já dito, porém, é um motorzinho e não são raras as vezes em que desce para perseguir os adversários.

Desta forma, vemos a importância do camisa 20 que jogou a temporada 2017-18 como peça de substituição e aos poucos vem se tornando protagonista na equipe de Manchester. Há quem diga que é o melhor jogador do City na temporada e, sinceramente, credenciais tem para isso.

Seu futuro é brilhante diante de seus 24 anos de idade e as possibilidades que o jogo moderno proporcionam são inúmeras. O futebol do futuro não se limita a posições ou áreas fixas do campo, todos são multifacetados e Bernardo é figura carimbada nesse aspecto.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.