AQUELE GOL DE MARADONA

Por Valter Júnior

Dizem que se a memória coletiva se lembra de um fato acontecido há 15 anos, é porque o acontecimento seguirá marcado por muito tempo. Uma década e meia é tempo suficiente para que um evento seja apagado da memória das pessoas e que uma geração que não o vivenciou tenha crescido e recebido os relatos do episódio dos mais velhos. Caso contrário, o esquecimento será o destino.

No dia em que Messi, junto com a Argentina, fracassou retumbantemente contra a Croácia, foram completados 24 anos do último gol de Maradona em Copas do Mundo. Pode-se não se lembrar da data com precisão, mas o seu gol no 4 a 0 sobre a Grécia será recordado para sempre. Depois de uma sequência de toques rápidos, Maradona, já dentro da área, acertou um chute de esquerda no ângulo. Mais um golaço.

A comemoração fora do comum se tornou icônica. Maradona sai correndo em direção à câmera com olhos estalados e aos berros. Era um desabafo. A raiva saltava das suas órbitas oculares. Era um aviso a todos de que ele não estava acabado. Aos 33 anos, El Diez não precisava mais provar a sua capacidade. Tinha levado um time mediano ao título oito anos antes e outro a uma final em 1990. Seus gols anteriores em Copas serão parte da antologia do futebol. Maradona tinha o seus motivos para extravasar.

Maradona havia sido suspenso por um ano e meio por uso de cocaína. Sua relação com a Albiceleste parecia terminada. Um time até então sem identidade e sem resultados lhe deu mais uma chance de encantar os argentinos. A campanha nas Eliminatórias foi vexatória, com direito a goleada sofrida para a Colômbia, em Buenos Aires. Para ir à Copa dos Estados Unidos, seria preciso passar pela Austrália na repescagem. Maradona tinha jogado dois amistosos no começo 1993 com a Seleção, mas não disputou o torneio classificatório. Mesmo diante de um adversário inofensivo, sua presença foi necessária. Ele surgiu como o salvador e embora estivesse visivelmente acima do peso, jogou a repescagem e colocou o seu país no Mundial.

El Pibe ressurgia e era, mais uma vez, a esperança de uma nação que tem ele como um Deus. Com tantas interrogações, Maradona era a resposta para os seus fiéis. Logo na estreia, a Argentina encantou com uma goleada por 4 a 0 sobre a fraca Grécia. De desacreditada à candidata em 90 minutos.

ub6a0d7mdupw7limgbtk

A vitória sobre a Nigéria, no jogo seguinte, ainda contou com Maradona. A derrota para a Bulgária não. Nem a eliminação para a Romênia nas oitavas de final. O craque que usou os pés como poucos e se preciso usava a mão também testou positivo para efedrina na partida contra os africanos. A saída de Maradona apagou parte daquela Copa. Levou consigo uma história que não será contada porque não exisitu. Como teriam sido o duelo de Maradona contra Stoichkov e um novo encontro com Hagi – eles se enfrentaram na Copa da Itália. Até onde a Argentina poderia ir com ele? Maradona encerrou a passagem na Seleção e nos Mundiais pela porta dos fundos.

A mesma porta dos fundos está aberta para Messi deixar a Rússia. Ainda há uma sobrevida, mas se ele for embora da Copa pela saída alternativa, daqui a 15 anos a sua história em Copas poderá estar comprometida.

Um comentário

  • Daniel Lima 30 / 06 / 2018 Responder

    Messi é gênio, mas mesmo sendo assim, ninguém ganha sozinho. Ele estará na história das copas já tendo uma bola de ouro nos mundiais. Mas nunca será um Maradona, isso nunca.

Deixe uma resposta